sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Esquecida.

Ele não lembrou de mim. Mas tudo bem, eu também já o esqueci tantas vezes. E sei o quanto doi quando só somos lembrados nos momentos de tristeza ou solidão, ou memórias que devem ser esquecidas. Particularmente, é nesses momentos em que eu lembro dele. E eu sei que ele também lembra de mim nas noites úmidas de chuva, nas noites em que ele tem medo, e sei que é nesses momentos em que ele olha minha foto na carteira, provavelmente suja e um pouco rasgada, e ele olha bem baixinho, pra nenhum outro ver, ver o quanto não deu certo e o quanto é feio deixar de amar sem querer. Eu sei que ele espera uma carta minha, mas eu não vou manda-la. Ainda espero uma atitude de homem dele também. Sei ainda, que o silencio entre nós doí, mas as palavras abririam feridas enormes e incuráveis.
Foi um bom final pra uma historia que nunca aconteceu, são boas lembranças de planos nunca realizados, foi bom ter sonhado acordada. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário